domingo, 10 de março de 2013

Libertando-se do medo


por Rodrigo Durante - t.multidimensional@gmail.com

Às vezes carregamos coisas dentro de nós que nos impedem de acessar vibrações mais elevadas e viver a vida que sonhamos, porém, não há nenhuma razão para carregá-las, nós as seguramos porque queremos.

Temos uma imagem de que o que trazemos dentro da gente é tão assustador que temos que evitar ter contato com aquilo a qualquer custo e por isso criamos barreiras para não senti-las, o que acaba impedindo que elas aflorem para serem liberadas.

Muitas destas coisas vieram de vidas passadas e se manifestam em nossa realidade desde a infância, por isso naquele momento podem ter parecido tão assustadoras. Nós a armazenamos com os referenciais emocionais daquela vida ou época e hoje parecem ser muito maiores do que realmente são.

A receita para superarmos isso é não temermos nos abrir e olhar para nosso interior, pois tudo o que encontraremos é nós mesmos. Ao deixarmos a luz entrar, a sombra desaparece. Vendo que aquilo não era tão ruim como pensamos, deixamos de ser dominados pelo medo e integramos nossas partes ocultas à nossa consciência, livrando-nos das associações emocionais negativas. Só então seremos inteiros e livres.

sexta-feira, 8 de março de 2013

Mudando padrões negativos

por Rodrigo Durante -t.multidimensional@gmail.com

Ao longo de nossas vidas, acumulamos muitos conceitos de como nós e as coisas são, como certas pessoas agem e, assim, vamos escrevendo nossa história, pautados em fatos e interpretações na maioria das vezes baseadas no medo, no sofrimento e nas limitações. Todos temos sonhos e desejos mas ninguém passa a vida sem ter algum frustrado. Isso ocorre pois em nossa cegueira não percebemos que o que queremos às vezes nada têm a ver com nossa essência, com a expressão mais pura de nosso Ser. A maioria de nossos desejos aparecem para tapar algum buraco, satisfazer alguma carência, uma solução alternativa "de fora para dentro" que muito fracamente nos satisfaz, logo precisando de mais alguma coisa que supra esta falta.

Nascemos com alguns aprendizados pré-determinados, pontos de vista, vibrações a desenvolver. Nossos desejos são meramente artifícios para aliviar a falta que estas vibrações nos fazem, para nos manter em uma zona de conforto por um pouco mais de tempo antes de iniciarmos o trabalho que verdadeiramente viemos fazer aqui.

Começamos, então, nosso caminho de autocura pela dor das frustrações, quando já tentamos de tudo, mas, mesmo assim, as coisas continuam do mesmo jeito, as mesmas histórias se repetindo sempre. É assim que desenvolvemos de forma produtiva uma mentalidade de olhar para dentro e buscar aquela ferida onde uma pitada de amor seria o melhor remédio. A ilusão de que a cura virá de fora ainda é muito forte, mas sem o nosso envolvimento, nossa própria mudança e consentimento nada em nossa vida mudará.

A primeira questão a nos direcionar para dentro são nossos relacionamentos, são os melhores espelhos para nos enxergarmos, para nos mostrar onde estamos errando. Todos nossos relacionamentos serão curados a partir de nós mesmos, ou seja, nós temos que mudar para que eles mudem.

As descrições que temos registradas sobre nós mesmos, nossos familiares e afins têm que mudar, pois nós não nos relacionamos com as pessoas, mas sim, com a imagem que fazemos delas. Só mesmo uma pessoa totalmente desperta consegue se relacionar com o que as pessoas realmente são em essência e, em essência, todos são Deus.

Se temos muito fortemente registrado que somos de tal maneira, que os outros são tal maneira, que sempre sofremos tal tipo de coisas, que a vida é de tal maneira e ficamos esperando que todos de uma hora para outra fiquem perfeitos do jeito que sonhamos, isso não irá acontecer e mais uma vez iremos nos frustrar, pois a mudança começa em nós.

Ninguém obtém sucesso em nada na vida sem desenvolver algumas características pessoais, superar medos e bloqueios, aprender a perdoar, desenvolver a coragem e o poder pessoal, a capacidade de ser feliz independente dos fatos, enfim, muitas situações aparecerão para nos tirar de nossa zona de conforto até que aprendamos todas as lições que nós mesmos escolhemos vivenciar antes mesmo de encarnar.

Por isso, nossos relacionamentos mais próximos e todas as dificuldades que passamos com eles são tão abençoadas, pois são nossos maiores aprendizados. Vemos refletidos neles partes nossas muito profundas, o que menos gostamos na gente e o que mais temos dificuldade de enfrentar. Preste atenção como todas as soluções que imaginamos para nossos problemas e irritações são sempre atalhos para nos manter em uma zona de conforto. Dizemos sempre que o outro ou as coisas é que têm que mudar, nós somos sempre os certos da estória. O medo de olhar para dentro é grande, a vaidade e o orgulho sempre colocarão a culpa no outro.

Nossas preocupações e ansiedade também são muito grandes para atingirmos certo objetivo, o que também acaba dificultando de enxergarmos as coisas como elas realmente são. Entendam que aquilo que queremos chegará até nós, mas talvez não da forma que imaginamos. Não sem antes nos tirar de nossa zona de conforto e nos forçar aprender mais sobre nós mesmos, a fazer-nos crescer e nos fortalecer, a nos amarmos e nos aceitarmos incondicionalmente.

Praticamente todos os grandes problemas que nos afligem atualmente têm a ver com nossa autoimagem, amor próprio, o valor que damos a nós mesmos. Com comportamentos que nos condicionamos a ter para conseguir das pessoas o amor e o valor que ainda estamos aprendendo a nos atribuir. Sentimo-nos ainda inferiores, incompletos, acreditamos que precisamos fazer algo para sermos queridos, nos comportarmos de tal maneira que seja aceitável, trabalhar feito loucos em algo por suas recompensas, falar e nos expressar como acreditamos que vão gostar.

Sem perceber o desalinhamento que isto nos causa, energeticamente criamos máscaras, personagens que incorporamos para agradar ao mundo, nos protegermos ou conquistar o que queremos. Estas máscaras ganham tanta força que em determinado momento não as percebemos mais, achamos que somos nós mesmos. Criam-se desde nosso chakra frontal causando sérios incômodos na cabeça e se alimentam por laços do segundo e terceiro chakras já construídos sob esta energia de pouco amor próprio e pouca autovalorização.

Isso já trazemos de outras vidas, mas nesta se refletiu atraindo de nossos pais e relacionamentos próximos comportamentos que nos fizeram manifestar este "desamor próprio" novamente. Sempre tivemos que fazer algo ou nos comportar de tal maneira para conseguir o amor dos pais. Tínhamos que sorrir, ser educados, comportados, tirar notas altas, ser magros e santos para ganharmos recompensas, que muitas vezes eram materiais quando só precisávamos de um carinho e aceitação.

Tudo isso são feridas de nossa criança interior. Muitas feridas fazem nossos personagens buscarem fora o que não damos para nós mesmos. A cura disso, juntamente com toda ajuda que conseguirmos, é um processo pessoal, devemos buscar conscientemente enxergar nossas qualidades únicas e nos amar do jeito que somos. Sem comparações ou modelos de perfeição herdados, impostos ou autoimpostos. Quanto mais nos amamos mais os outros nos amam. Quanto mais nos respeitamos mais os outros nos respeitam. Quanto mais nos valorizamos mais coisas boas atraímos para nossa vida.

E o que realmente precisamos em nossa vida é Amor. E quando as feridas, crenças, imagens e rótulos negativos que criamos forem substituídas por esse Amor, nosso mundo se transformará.

Certamente, no caminho para nos libertarmos das ilusões de nossos personagens e nos realinharmos a nossa essência encontramos muitas dores, feridas e bloqueios profundos, crenças, imagens e conceitos envolvidos. Mas não há outra alternativa senão o nosso envolvimento consciente e o compromisso com nós mesmos. Procurar em nós mesmos a resposta para o que nos incomoda, pois tudo o que passamos no externo é um reflexo do interno.

Os resultados que obtemos só dependem da nossa própria mudança. No caminho, busquemos a paz. Busquemos abrir mão de crenças fixas a respeito de como a vida e as pessoas são. Deixemos a luz entrar e nos mostrar onde estamos agindo em desacordo com nossa própria essência. Estejamos abertos a aceitar nossas falhas e dispostos a colocar amor onde antes só haviam sombras. Vocês vão sentir a diferença, não tem como não sentir, pois quando nós mudamos, a vida nos acompanha.

quinta-feira, 7 de março de 2013

Um resumo sobre os Pretos Velhos.



Quando falamos em Preto Velho, nos vem à mente quatro palavras básicas: calma, sabedoria, humildade e caridade.
Voltando no tempo, durante o período colonial brasileiro, as grandes potencias européias da época subjugaram e escravizaram negros vindos de diversas nações africanas, transformando-os em mercadorias, seres sem alma, apenas objetos de venda de trabalho.
Nesse mercado, os traficantes negreiros costumavam se utilizar de maneiras diversas para conseguir arrebanhar sua “mercadoria”: chegavam surpreendendo a todos na tribo, separavam, é claro, sempre os mais jovens e fortes. Costumavam buscar os negros nas regiões Oeste, Centro-Oeste, Nordeste e Sul da África. Trocavam por outras mercadorias, como espelhos, facas e bebidas, os que eram cativos oriundos de tribos vencidas em guerra e trazendo como escravos os que eram vencidos.
No Brasil, em principio os escravonegros chegaram pelo Nordeste; mais tarde, também pelo Rio de Janeiro. Os primeiros a chegarem foram os Bantos, Cabindos, Sudaneses, Iorubas, Minas e Malés.
Para a África, o trafico negreiro custou caro: em quatro séculos foram escravizados e mortos cerca de 75 MILHÕES de pessoas, basicamente a parte mais selecionada da população.
Esses negros, que foram brutalmente arrancados de sua terra, separados de suas famílias, passando por terríveis privações, trabalharam quase que ininterruptamente nas grandes fazendas de açúcar da colônia. O trabalho era tão árduo, que um negro escravo no Brasil não chegava a durar dez anos.
Em troca de tanto esforço, nada recebiam, a não serem trapos para se vestir e pão para comer, quando não eram terrivelmente açoitados nos troncos pelas tentativas de fuga e insubordinação aos senhores. Muitas vezes, reagiam a tudo suicidando-se, evitando a reprodução, matando feitores, capitães-do-mato e senhores de engenho.
O que restava ao negro africano escravo no Brasil era sua fé, e era em seus cultos que ela resistia, como um ritual de liberdade, protesto a reação contra a opressão do branco. As danças e cânticos eram a única forma que tinham para extravasar e aliviar a dor da escravidão.
Mas, apesar de toda a revolta, havia também os que se adaptavam mais facilmente à nova situação. Esses recebiam tratamento diferenciado e exerciam tarefas como reprodutores, caldeireiros ou carpinteiros. Também trabalhavam na Casa Grande, eram os chamados “escravos domésticos”. Outros, ainda, conquistavam a alforria através de seus senhores ou das leis (Sexagenário, Ventre Livre e Lei Áurea). Com isso, foram pouco a pouco conseguindo envelhecer e constituir seu culto aos Orixás e antepassados, tornando-se referencia para mais jovens, ensinando-lhes os costumes da Mãe África. Assim, através do sincretismo, conseguiram preservar sua cultura e religião.
ATUAÇÃO DOS PRETOS VELHOS
Esses são os Pretos Velhos da Umbanda, que em suas giras nos terreiros representam a força, a resignação, a sabedoria, o amor e a caridade. São um ponto de referencia para aqueles que os procuram, curando, ensinando e educando, aos encarnados e desencarnados necessitados de luz e de um caminho a trilhar.
Um Preto Velho representa a humildade, jamais demonstrando qualquer tipo de sentimento de vingança contra as atrocidades e humilhações sofridas no passado. Pretos Velhos ajudam a todos, independente de cor, sexo ou religião.
Em sua totalidade, não se pode afirmar que as entidades que se apresentam nas giras são os mesmos Pretos Velhos escravos. Muitos passaram por ciclos reencarnatórios e podem ter sido em suas vidas anteriores médicos ou filósofos, ricos ou pobres, e, para cumprir sua missão espiritual e ajudar aos necessitados, escolheram incorporar a forma de Pretos Velhos. Outros, nem negros foram, mas também escolheram essa forma de apresentação.(grifo nosso)
Muitos podem estar perguntando: “Mas então os Pretos Velhos não Pretos Velhos?”. A explicação é simples: todo espírito que já alcançou determinado grau de evolução tem a capacidade de descer sob qualquer forma passada, pois é energia pura, a forma é apenas uma conseqüência da missão que vem cumprir na Terra. Podem também, em locais diferentes, se apresentarem como médicos, Caboclos ou até Exu, depende do trabalho a que vêm realizar. Em alguns casos, se tiverem autorização, eles mesmos nos dizem quem são.
MENSAGENS DE PRETO VELHO
A principal cararacterística de um Preto Velho é a de conselheiro; para alguns, são como psicólogos, amigos e confidentes, para outros, são os que lutam contra o mal com suas mirongas, banhos de ervas, pontos riscados, sempre protegidos pelos Exus de Lei.
A figura de um Preto Velho representa a paciência e a calma que todos sempre devemos ter para evoluir espiritualmente, essa é a sua principal mensagem.
Certas pessoa costumam procurar um Preto Velho apenas para resolver problemas materiais, usando os trabalhos na Umbanda para beneficio próprio, esquecendo de ajudar ao próximo. Quanto a isso, esses maravilhosos Espíritos de Luz deixam sempre uma importante lição, a de que essas pessoas, preocupadas apenas consigo próprias, são escravas do próprio egoísmo, mas sempre procuram ajudá-las brincando de “pedir obrigações”. Mas em meio a essas pessoas, sempre haverá os que podem ser aproveitados, que em pouco tempo vestirão suas roupas brancas, descalçarão seus pés e farão parte dos trabalhos de caridade do terreiro. Essa é a sabedoria do Preto Velho, saber lapidar o que há de bom em cada um de nós.
Pretos Velhos levam a força de Zambi a todos que buscam aprender a encontrar sua fé, sem julgar ou colocar pecado em ninguém, mostrando que somente o amor a Deus, ao próximo e a si mesmo, poderá mudar sua vida e seu processo de ciclos reencarnatórios, aliviando os sofrimentos cármicos e elevando o espírito. Assim fortalecem a todos espiritualmente, aliviando o peso do fardo de cada um, e cada um pode fazer com que seu sofrimento diminua ou aumente, de acordo com a forma de encarar os acontecimentos de sua vida: “Cada um colhe o que plantou. Se plantares vento, colherás tempestade. Mas, se entender que lutando poderá transformar seu sofrimento em alegria, verá que deve tomar consciência de seu passado, aprendendo com os erros, galgando o crescimento e a felicidade futura. Nunca seja egoísta, sempre passe aos outros aquilo que aprende. Tudo que receber de graça, deverá dar também de graça. Só na fé, no amor e na caridade, poderá encontrar seu caminho interior, a luz e Deus” (Pai Cipriano)
APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE
O termo “Velho, Vovô e Vovó, são usados para mostrar sua experiência, pois, quando pensamos em alguém mais velho, entendemos que este já viveu muito mais tempo do que nós, com coisas para nos passar e historias para nos contar através de sua longa experiência. No mundo espiritual isso é bastante parecido, e a característica da entidade Preto Velho é sempre o conselho.
Suas vestes são bem simples e não necessitam de muitos apetrechos para trabalhar, apenas da concentração e atenção de seu médium durante a consulta. Costumam usar cachimbo, lenços, toalhas e algumas vezes fumo de corda ou cigarro de palha.
Sua incorporação não necessita de dançar ou pular muito. A vibração começa com um “peso” nas costas, fazendo com que o médium incline o corpo para frente, sempre com os pés bem fixos no chão. Andam apenas para as saudações ao Atabaque, Conga e Babalorixá. Atendem sentados praticando sua caridade. Raras às vezes alguns mantêm-se em pé.
Sua simplicidade se manifesta em sua maneira de ser e de falar, sempre usando um vocabulário simples. A maneira carregada com que falam é para mostrar que são bastante antigos.
A Linha de Preto Velho possui suas características gerais, mas cada médium tem uma coroa diferente, determinando as diferenças entre os Pretos Velhos.
As diferenças ocorrem porque cada Preto Velho trabalha em nome de um Orixá, utilizando a essência de cada força da natureza em sua atividade. Essas diferenças são facilmente percebidas na forma de incorporação.
Retirado da Revista Espiritual de Umbanda (Edição Especial 1 Editora Escala)- Pesquisa e texto: Virgínia Rodrigues
Referencias Bibliográficas:
- Portal Guardiões da Luz
- Luz da Fraternidade
Revista USP nº 28 – As Religiões Negras do Brasil
- As Religiões Negras do Brasil

Encontrei este texto no site: http://povodearuanda.wordpress.com/2010/10/07/vibracoes-de-preto-velho/

quarta-feira, 6 de março de 2013

ANTIGA PRECE IRLANDESA


Que as gotas da chuva molhem suavemente o seu rosto que o vento suave refresque seu espírito. Que o sol ilumine seu coração que as tarefas do dia não sejam um peso nos seus ombros e que Deus envolva você no seu manto de amor.

Que a estrada abra à sua frente, que o vento sopre levemente em suas costas, que o sol brilhe morno em e suave em sua face, que a chuva caia de mansinho em seus campos.
E até que nos encontremos de novo. Que os Deuses guardem você na palma das suas mãos.

Que o caminho seja brando a teus pés O vento sopre leve em teus ombros.Que o sol brilhe cálido sobre tua face As chuvas caiam serenas em teus campos.
E até que eu de novo te veja que os Deuses te guardem nas palmas de Suas mãos.
(((A Velha Arte)))

terça-feira, 5 de março de 2013

Cozinha de Bruxa! )O(



Quando falamos em cozinha da bruxa, logo nos vem a imagem uma cozinha cheia de ervas secas e penduradas, móveis de madeira, cheiro de erva fresca plantada no cantinho da cozinha. E um fogão a lenha com uma panela de barro e dentro um cozido cheiroso de viver!!! Uma coisa simplesmente mágica e contagiante. E me lembro da cozinha da minha avó.
Bem, há três anos quando conversava com minha mãe sobre assuntos domésticos, e ela me dizia coisas relacionadas a cozinha, como por exemplo, o modo de guardar os alimentos, de como a cozinha deve ser mantida em organização, justamente por ser o coração da casa, etc. Eu não imaginava em momento algum que poderia viver isso, um dia. Embora não seja AINDA dona da minha própria cozinha. Mas o fato é que vivo...Tenho imensa alegria em pensar no coração da minha casa com carinho, e cuidar dele (só nos fins de semana, pois o trabalho e a faculdade não deixam durante a semana). Normal!


Cozinhar, em minha opinião deveria ser um exercício diário, um mergulho na intuição, nos cheiros e vapores e nos deixar levar longe junto coma fumaça... Hoje creio que cozinhar é muito mais que picar ingredientes na ordem, esperar o tempo de cozimento e observar as etapas...Sei que é uma manipulação de energias ao redor em prol da alegria, saúde, fartura, prosperidade e harmonia da minha família. Uma transformação. Esse entendimento começou a partir das comidas comemorativas dos sabaths. Onde a preparação das comidas trouxe o entendimento da magia de cozinhar com um propósito em mente.

O ato de transformar os alimentos também a sugere a transformação em nos mesmos

“A energia, de nossos pensamentos, acumula-se nas mãos e passam para o alimento”.

Portanto, jamais devemos cozinhar com raiva. O mecher do alimento, é o mergulho na espiral da vida, e entendemos então nosso caminho, e juntamos o movimento a nossa respiração. Um ato de meditação profunda e de auto-conhecimento. Quando cozinhamos, realizamos o supremo feitiço da transmutação, transformando trigo em pão, o vinho em vinagre, etc. 

A alquimia de cozinhar é a arte mais antiga e completa dentro da bruxaria. E não precisamos de muito para realizá-la. Só de uma cozinha e amor! Dentre os “instrumentos” básicos estão as panelas de barro, a colher de pau e os vidros, onde colocamos os condimentos e temperos usados. 

Todos os alimentos têm suas propriedades mágicas, mas alguns são essenciais numa cozinha de bruxa, como as ervas. Eis algumas:


Salsa, basil, manjericão, orégano, cominho, aipo em pó,hortelã,
tominho,mirra,louro,segurelha,manjerona, sálvia, verbena, estragão,
alfavaca, cardomomo, canela, cravo alho, pimentas, hissopo,
dill, Artemísia, coentro,alecrim,anis,erva-doce,sementes de girassol,
sementes de papoula urtiga, mostarda, noz-moscada, curry,
pétala de rosa seca, folhas de morango,folhas de laranjeira, 
folhas de maracujá, raiz de ligústica,raiz de acelga, 
raiz de alface,raiz de ginseng, e sementes de coentro.

As ervas a serem usadas nos alimentos, precisam estar frescas, portanto, o ideal seria ter uma mini horta com os que mais usa, ou pelo menos dois dos tipos citados acima. Colocar em seus pratos ervas cultivadas por você, é muito bom! Eu já comecei minha mini horta, com um pe de hortelã e manjericão. E o manjericão tem ate flores...lindinho!

“Mas de todos os ingredientes, o mais importante sem duvida é o amor! Em grandes e generosas porções”.

Abaixo algumas ervas, alimentos e hortaliças, assim como suas propriedades:


* açafrão - proteção
* alcaparras - potência e amor
* alecrim - proteção e purificação
* alho - saúde e proteção
* amêndoa - prosperidade
* arroz - fertilidade e prosperidade
* batata - saúde
* beterraba- amor
* camomila - dinheiro
* canela - erotismo e sucesso
* cebola - proteção e saúde
* cenoura - fertilidade
* cereja - amor
* chuchu - felicidade
* cravo-da-índia - proteção e afrodisíaco
* erva-cidreira - saúde, amor e sucesso
* erva-doce - proteção
* ervilha - prosperidade e amor
* feijão - prosperidade e harmonia
* gergelim- dinheiro
* laranja - prosperidade e fertilidade
* louro - proteção
* maçã - amor e desejo
* manjerona - amor, saúde e proteção
* maracujá - paixão e amizade
* menta - proteção e saúde
* morango - amor e erotismo
* noz-moscada - sorte e dinheiro
* pêra - desejo e amor
* romã - dinheiro e sorte
* salsa - proteção e purificação
* sálvia - sabedoria e prosperidade
* trigo - fertilidade e prosperidade
* uva - fertilidade, amizade e dinheiro.



Caso queira, e eu acho bacana. Poderá ter um grimório de cozinha. Onde colocará suas receitas e experiências culinárias. É um modo de anotar sua evolução. 
A sua cozinha poderá ter em um cantinho, objetos usados para equilibrar e limpar as energias também. Podemos ter um potinho com ervas encantadas para prosperidade e proteção, ou um cristal transparente. Pois é um excelente equilibrador de energias. 



Abaixo alguns feitiços básicos para proteger a cozinha que li no livro da Márcia Frazao, e que acho interessante colocar aqui. Segue:


  • Para repelir fantasmas e energias negativas, encha um vidro com uma mistura de sal e folhas frescas de sálvia. Exponha esse filtro mágico em um lugar visível de sua cozinha




  • Mantenha um cesto pequeno contendo moedas, pedras, sementes, ervas (sálvia, louro, hortelã, folhas de canela, etc.). E flores. Para felicidade.

  • Para que a harmonia reine em sua casa ferva dois litros de água de fonte ou mineral. Após apagar o fogo, acrescente um punhado de manjerona, louro e alecrim. Tampe a panela e deixe esfriar. Coe e após esfriar, borrife na casa recitando o seguinte encantamento:


Brigas, querelas ódio e tristeza.
Sumam agora do meu lar
Que só permaneça a alegria e a delicadeza
Para ocupar o seu lugar!


Bibliografia sugerida:
A cozinha mágica – Marcia Frazao
Enciclopédia wicca na cozinha – Scott Cunningham
A cozinha da bruxa – Marcia Frazao

segunda-feira, 4 de março de 2013

Gratidão


''A gratidão é um conjunto de vários sentimentos: amor, ternura, amizade... É o reconhecimento de que não somos os únicos responsáveis pela nossa própria condição. Ser grato é reconhecer que outras pessoas também participaram na produção de nossa vida. Um pouco de humildade que obriga a reconhecer o outro como parte de nossa alegria. É poder dedicar, compartilhar a graça recebida.
Mas é importante não confundir gratidão com bajulação ou lisonjas, com servilismo. Não há hierarquia na gratidão, não há diferenças. Sentir-se grato, com um sentimento constante de dívida impagável, pode não ser muito saudável. A gratidão é sempre boa na medida da alegria que a acompanha. E a angústia de uma dívida constante carece de alegria.
Cultive a gratidão hoje e sempre.''


By: Laetittia Braz.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...