quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

PRATICANDO O DESAPEGO



Sempre é preciso saber quando uma etapa chega ao final.
Se insistirmos em permanecer nela mais do que o tempo necessário....
Perdemos a alegria e o sentido das outras etapas que precisamos viver.

Encerrando ciclos, fechando portas, terminando capítulos.
Não importa o nome que damos, o que importa é deixar no passado os momentos que já se acabaram.
As coisas passam, e o melhor que fazemos é deixar que elas possam ir embora.

Deixar ir embora. Soltar. Desprender-se. 

Ninguém está jogando nesta vida com cartas marcadas, portanto às vezes ganhamos, e às vezes perdemos.
Antes de começar um capítulo novo, é preciso terminar o antigo: Diga a si mesmo que o que passou jamais voltará.

Lembre-se de que houve uma época em que podia viver sem aquilo... 
- Nada é insubstituível, um hábito não é uma necessidade.
Encerrando ciclos, não por causa do orgulho, por incapacidade ou por soberba...
Mas porque simplesmente aquilo já não se encaixa mais em sua vida.

Feche a porta, mude o disco, limpe a casa, sacuda a poeira.
Quando um dia você decidir a pôr um ponto final naquilo que já não te acrescenta.
Que você esteja bem certo disso, para que possa ir em frente, ir embora de vez.

Desapegar-se, é renovar votos de esperança de sí mesmo,
É dar-se uma nova oportunidade de construir uma nova história melhor.
Liberte-se de tudo aquilo que não tem te feito bem, daquilo que já não tem nenhum valor, e siga, siga novos rumos, desvende novos mundos.

A vida não espera.
O tempo não perdoa. 
E a esperança, é sempre a última a lhe deixar.

Então, recomece, desapegue-se! 

Ser livre, não tem preço!

~Fernando Pessoa~

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

20/02: Dia de Minerva - Deusa Romana| Ritual.

Deusa Minerva
(CRENÇAS)

''Sou aquilo que penso. Minha vida é formada, moldada pelo que digo a mim mesma. Quem sou no mundo é o que eu penso que sou. O que tenho no mundo é o que penso que posso ter. O conteúdo de minha mente é o que eu escolho.
Eu descarto, corto, jogo fora aquilo que não contribui para nada. O que os outros pensam de mim é a história deles e diz muito mais sobre eles do que sobre quem eu sou. Na minha jornada eu me certifico de que aquilo que carrego seja de minha própria e cuidadosa escolha e me sirva bem... ''

Mitologia
Minerva, deusa romana e etrusca da inteligência, da criatividade, da sabedoria, das habilidades domésticas e manuais, era a protetora dos artesãos, de todas as pessoas cujo trabalho manual era guiado pela mente. Seu nome vem da antiga raiz da palavra "mente". Minerva aparece aqui com sua árvore, a oliveira. Ela usa uma égide, um peitoral ladeado de serpentes, e uma coruja em seu toucado que a identifica como a Deusa da morte e dos mistérios mais profundos.

Mensagem da Deusa pra você:
Minerva veio para dizer que está na hora de examinar as suas crenças e mudá-las, se elas não alimentam a sua totalidade. Como pensamentos velhos, desgastados, insalubres estão minando a sua vida, a sua energia, a sua felicidade? Você acredita no que as outras pessoas pensam e/ou dizem a seu respeito? Você ainda está rodando a fita de mensagens negativas que seus pais ou as pessoas que tomavam conta de você lhe deram quando era criança?
Você acredita no pior sobre si mesma, ou no melhor? Suas crenças são rígidas demais para permitir e apoiar sua evolução? Todos nascemos com uma história. Se vamos viver a história com que nascemos ou criar uma história que alimente tudo o que queremos ser é uma escolha nossa. Minerva diz que a totalidade é cultivada quando você se vê em todos os seus aspectos — tanto os sombrios como os luminosos— e escolhe as suas crenças para que sirvam ao seu mais alto benefício.

Meditação antes do ritual: 
''O que há no meu sótão?''
Reserve um horário e um lugar em que você não seja interrompida.
Você precisará de papei e caneta. Sente-se ou deite-se confortavelmente, com a coluna reta, e feche os olhos. Inspire profundamente, respirando para todas as partes do corpo, deixando a respiração enchê-la como se você fosse um balão. Quando estiver completamente cheia, solte o ar. Respire fundo outra vez e solte o ar. Feche os olhos e sinta, visualize ou perceba um lance de escadas que leva você a um sótão. Pode ser um sótão que você já conheça ou um que você imagine. Suba os degraus. No alto da escada há uma porta. Você tem a chave dessa porta pendurada num cordão em seu pescoço. Pegue a chave e abra a porta. Você entra numa sala. Numa parede há prateleiras. Numa das prateleiras há uma caixa com a inscrição “crenças’’. Pegue a caixa e abra.
Dentro dela estão as suas crenças. Enfie a mão dentro da caixa, puxe uma delas e examine-a.
Depois de examiná-la bastante, pergunte a si mesma: "Esta crença serve ao meu mais alto benefício ou à totalidade?" Se a resposta for afirmativa, devolva essa crença à caixa e tire outra. Se a resposta for negativa, transforme a crença em algo que sirva a você, algo que lhe pareça bom, algo que a alimente.
Repita sua nova crença algumas vezes e sinta-a aprofundando-se no seu coração, na sua
consciência. Vivencie a alegria de ter essa nova crença. Quando terminar, ponha a nova crença aperfeiçoada na caixa e devolva a caixa à prateleira. Feche a porta do sótão e tranque-a com a chave. Desça a escada. Quando chegar embaixo, respire fundo e solte lentamente o ar à medida que volta ao corpo. Quando sentir que está pronta, abra os olhos. Seja bem-vinda!

Nota: Se perceber que suas crenças parecem resistir aos seus esforços para transformá-las repita este ritual em outra ocasião. Isso é um processo, e as crenças com que você está lidando estão aí há muito tempo. Aqui é importante confiar. Talvez você queira anotar o nome de sua nova crença e colocá-lo num lugar de destaque, onde possa vê-lo sempre.

Ritual para Minerva:
Objetivo: pedir a inspiração da Deusa Atenas para o Bom Caminho e o Bom Combate, que as suas qualidades possam ser integradas na nossa experiência.
Momento adequado: Lua cheia de Fevereiro

Materiais necessário: coroa de hera, carvão, louro em pó, vela púrpura, caldeirão, espada (ou faca), azeite e pão.

Acender a vela púrpura, colocá-la dentro do caldeirão. Saudar o Oriente e dizer:

- Nesta época de grande poder, Sábia Deusa, invoco o teu poder, Senhora do Conhecimento e da Sabedoria, para que me protejas no Bom Caminho e inspires no Bom Combate.

Colocar a coroa de hera sobre o pentagrama e pegar na espada com a mão direita. Dizer:

- Trago esta coroa, símbolo dos pensamentos elevados, em ti a consagro, por ti a purifico e bendigo, para que limpe os meus pensamentos e os ilumine. Trago esta espada na minha mão direita, símbolo da justa acção, em ti a consagro, por ti a purifico e bendigo, para que me oriente no meu caminho e só seja levantada para a guerra justa.

Colocar a coroa de hera na cabeça e dizer:

- Peço-te, Grande Deusa, Senhora do Equilíbrio, que a tua serpente esteja sempre desperta em mim e a tua coruja me guie na escuridão.
Ajuda-me a ter uma ação ponderada, a minha mente sempre clara e as minhas emoções controladas, para meu benefício e dos meus Irmãos.

Acender o carvão e deitar o pó de louro. Dizer:

- Grande Deusa, inspiradora dos homens justos e inteligentes, que o Fogo me purifique e o Ar me inspire a ouvir os ensinamentos dos Mestres Antigos.

Fazer uma meditação sobre os aspectos da nossa vida onde queremos a acção da Deusa.
Colocar o azeite e o pão sobre o altar e consagra-los. Dizer:

- Grande Deusa, eu te consagro este pão e este azeite, símbolos da Terra e da Luz, para que com eles eu possa fazer a união entre o Plano Manifestado e o Plano Espiritual. Assim seja.

Molhar o pão no azeite e comê-lo, enquanto visualiza a energia da Deusa a descer sobre si.

Colocar as mãos em forma de triângulo à frente da cabeça, os polegares unidos e os indicadores também, saudar o Oriente e dizer:

- Grande Mãe, peço-te para que oiças as preces desta tua filha que te pede auxílio e inspiração. Agradeço a tua benevolência e Amor. Assim seja.

Fonte: Wikipédia
Fonte: O Oráculo da Deusa
Fonte: Grimoire
Fonte: Anotações pessoais.
Fonte: DEAE SVLI MINERVAE OS PEDIDOS DE JUSTICA.

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Como parar de evitar a si mesmo


:: Bel Cesar :: 
A todo instante estamos reagindo a algum estímulo, seja ele bom ou ruim. Mas, se agirmos apenas seguindo nossos padrões inconscientes, cairemos facilmente na armadilha dos esquemas já formatados de nossos hábitos mentais negativos. Os padrões positivos são sempre bem-vindos - eles são um recurso valioso quando estamos diante de desafios físicos e emocionais. O fato é que não é fácil mudar nosso ambiente interno se não acendermos as luzes de nosso mundo interior.

Algumas cenas da vida são tão desconfortáveis de serem vistas ou lembradas que buscamos fechar os olhos da alma assim como quando evitamos ver as cenas de um filme violento. É simplesmente demais.

Mas, passado o susto, podemos nos propor a visitar estes lugares escuros, não para escarafunchá-los, colocando o "dedo na ferida", mas sim, para nos tornarmos mais abertos, livres e relaxados diante daquilo que reagimos até mesmo diante de um breve contato.

Em nossa cultura ocidental, conhecer implica em "saber mais" a respeito de algo. Mas, a psicologia budista não busca acumular conhecimentos sobre o nosso mundo interior, mas sim, a ampliar nossa capacidade de nos abrir para nós mesmos. Em outras palavras, é mais importante como nos observamos, do que o que analisamos. Afinal, será o estado de abertura e receptividade que cultivamos interiormente que nos sustentará a olhar para estas cenas emocionais complexas e doloridas. 

É como ao visitar um país estranho. Ao invés de lermos tudo que pudermos a respeito deste local, abrimo-nos para deixar que o lugar nos conte como ele é.

O ambiente interno nos induz na forma como percebemos o ambiente externo. Por exemplo, se crescemos sem a familiaridade de sermos vistos pelos outros e reconhecidos em nossas necessidades e desejos, podemos nos tornar cegos ao olhar sincero e afetuoso daqueles que buscam nos amar.

Se pudéssemos imaginar as lentes de nossa vista interior, poderíamos reconhecer se precisamos de mais foco para olhar aqueles que estão mais perto ou distante de nós.

Isso me fez lembrar há uns anos quando fui ao oculista, pois necessitada, pela primeira vez, de usar óculos. Para quem está acostumado a enxergar, o desconforto de não ver é muito desagradável. O fato é que quando o oculista acertou as lentes de meus óculos, foi notório como senti meu peito relaxar e respirei de uma maneira muito agradável. De lá para cá, aprendi que quando preciso pensar melhor é bom usar os óculos!

Nosso cérebro reflete nosso mundo subjetivo. Se nos mantivermos numa atitude de autodefesa constante, não importa o que e com quem estivermos, não conseguiremos nos abrir para escutá-los. Sem escuta não há transformação.

O primeiro passo para nos abrirmos interiormente e, consequentemente, para os outros, é treinarmos a reconhecer se estamos presos numa atitude de ataque ou defesa. Para tanto, podemos observar nosso corpo. Estamos contraídos ou confortáveis em nós mesmos? 

Cabe ressaltar que rastrear com atenção nosso corpo não é uma tarefa óbvia. Há quem é tão pouco familiar com o próprio corpo que, ao ser indagado de como está se sentindo, responde simplesmente "nada". Mas, não é bem assim. Se aprendermos a nos auto-observar iremos nos surpreender como podemos sentir ansiedade no peito e ainda assim os pés relaxados no chão. Ou a cabeça agitada, pulsando de tanto pensar, e a barriga solta e tranquila. Qual e como cada parte do nosso corpo reage diferentemente é muito particular de acordo com o momento. Eu diria que é como as notas e acordes musicais podem ser harmoniosos ou dissonantes numa mesma melodia. 

A área de nosso cérebro responsável por nossa capacidade de autopercepção chama-se ínsula. Por meio dela, recebemos sinais dos órgãos viscerais. Algumas pessoas são de fato muito sensíveis aos sinais do corpo, enquanto outras mal notam o que se passa interiormente. Ambos extremos são problemáticos. Por exemplo, a hipersensibilidade pode gerar um estado altamente desconfortável num ataque de pânico ou levar a pessoa a desconfiar de qualquer alteração e tornar-se hipocondríaca. 

O fato importante é que a ínsula nos dá tanto a capacidade de autopercepção física quanto emocional, por isso, na medida em que aprendemos a nos auto perceber, desenvolvemos também a capacidade de sustentar as emoções, sejam as emoções positivas ou negativas.

Quem nos explica tudo isso de uma maneira muito fácil de entender é o neurocientista Richard Davidson com Sharon Begley no livro "O estilo emocional do cérebro" (Ed Sextante, 2013, p. 77). Eles acrescentam: "Os sinais emocionais estão presentes em toda a nossa vida e no ambiente que nos cerca e constituem fortes distrações, frequentemente, interferindo em nossa capacidade de realizar tarefas e de manter tranquilidade. Descobriu-se que a capacidade de filtrar distrações emocionais se correlaciona com a capacidade de filtrar distrações sensoriais. Uma pessoa concentrada consegue prestar atenção em uma única conversa numa festa barulhenta, ao passo que alguém desconcentrado desvia constantemente a atenção e o olhar para o estímulo mais chamativo a cada instante. Algumas pessoas conseguem se desconectar apesar de estarem em meio a um redemoinho emocional - elas se situam no extremo concentrado do espectro da Atenção. Outras são distraídas com frequência por impulsos emocionais que não têm nenhuma relação com a tarefa que estão realizando - elas estão no extremos desconcentrado. Pessoas concentradas conseguem manter a atenção mesmo quando ocorrem intromissões carregadas de emoção, pois filtram a ansiedade que toma conta do ar ao seu redor, algo que as desconcentradas são incapazes de fazer".

O fato é que gastamos muita energia evitando encarar a realidade simplesmente por sentir intuitivamente que não temos espaço interior para contemplá-la. Não precisamos nos vulnerabilizar nos atirando em nossa dor sem cuidado nem proteção, mas podemos nos propor a encará-la gradualmente nos auto acolhendo ao invés de continuamente evitá-la. Abrir-se para si mesmo é ao mesmo tempo um ato de coragem e autocompaixão.

Fonte: STUM.

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Nam-Myoho-Rengue-Kyo.

NAM MYOHO RENGUE KYO

O título do Sutra de Lótus é Myoho-rengue-kyo. Nitiren Daishonin acrescentou a palavra Nam, que significa devoção ou dedicação, consta em uma de suas escrituras: "Somente praticar os sete caracteres do Nam-myoho-rengue-kyo pode parecer limitado, mas desde que esta Lei é o mestre de todos os Budas do passado, presente e futuro, o professor de todos os bodhisattvas do universo, e o guia que capacita todos os seres humanos atingir o estado de Buda, sua prática é incomparavelmente profunda. Nitiren Daishonin (Monge Budista do Japão no Século XIII) nos aponta o ensino que contém o caminho para a iluminação, essa frase que recitamos diariamente, o Nam-Myoho-Rengue-Kyo, que numa tradução livre seria o algo como: Devotar-se ao Sutra de Lótus, ou Devotar-se à Lei Mística da Causa e Efeito (exposta pelo Buda no Sutra de Lótus). 

Embora esta explanação possa ser limitada, podemos dizer que o Myoho-rengue-kyo possui uma infinita profundidade. Todos os princípios budistas, assim como a sua filosofia, emergem através de um contínuo e profundo estudo destes caracteres. Mas, como podemos usá-los em nossas vidas ? Caso o Myoho-rengue-kyo se torne uma mera teoria, se tornará inútil. Neste ponto reside o significado do Nam.

O Nam-Myoho-Rengue-Kyo cobre todas as leis, toda a matéria e todas as formas de vida existentes no Universo. Em outras palavras, é a vida do Buda que alcançou a suprema Iluminação. Se expandirmos ao espaço ilimitado, é idêntica à vida do Universo, e se condensarmos ao espaço limitado, é igual a vida individual dos seres humanos. 



A natureza de Buda está exatamente dentro de cada um de nós. É o Nam-Myoho-Rengue-Kyo. Quando entoamos o Daimoku a natureza de Buda dormente dentro das nossas vidas é convocada. Invocado deste modo, o que desperta é o Buda. Quando um pássaro numa gaiola canta, os pássaros voando no céu vêm para baixo. Quando os outros pássaros se reúnem ao redor, o pássaro engaiolado tentará escapar. Do mesmo modo se recitarmos a Lei Mística, o Nam-Myoho-Rengue-Kyo em voz alta, a natureza de Buda se revela e se alegra e nos acompanha. Se praticarmos corretamente, não haverá beco sem saída na vida. Uma vez que nos baseamos na Lei Mística, podemos definitivamente transformar as nossas vidas para o melhor e ultrapassaremos qualquer impasse. Em qualquer situação, seguir essa lei absoluta com fé absoluta é, na verdade a base da nossa prática. 
Veja agora o que significa passo-a-passo esta linda Lei Mística:

"NAM 
Nam, contração de Namu, que deriva do sânscrito NAMAS, significa "devotar" ou a relação perfeita da vida da pessoa com a verdade eterna. Ou seja, dedicar a própria vida ou relacionar-se com a verdade eterna da vida. Também significa acumular infinita energia através desta fonte e tomar atitudes positivas aliviando o sofrimento dos outros. 



MYOHO 
Myoho literalmente significa Lei Mística. 
Myo significa "místico", mas elimina qualquer sombra de milagre. É assim chamado porque o mistério da vida é de inimaginável profundidade por tanto está além da compreensão do homem. 

Ho significa "lei". A intrínseca natureza da vida é tão mística e profunda, que transcende o âmbito de conhecimento humano. Por exemplo: o ser humano nasce como um bebê, cresce e torna-se um jovem, depois um idoso e por fim morre. Isso é obviamente, uma inquebrável lei regulando cada espécie de vida. Ninguém jamais pode nascer adulto ou escapar desse ciclo, por mais que deseje. 

RENGUE 
Rengue é a lei de causa e efeito. O budismo esclarece essa lei em todos os fenômenos do universo, e é simbolizada pela Flor de Lótus (Ren, flôr e Gue lótus, em japonês), pois produz a semente (Causa) e a flor (Efeito) simultaneamente. Uma quantidade enorme de todas as causas passadas formam o efeito da condição presente. Ao mesmo tempo, o momento presente é a causa do futuro. Assim, a vida é a continuação dos momentos combinados pela corrente de causa e efeito. 

KYO'' 
Finalmente kyo que é a tradução do sânscrito Sutra, significando ensino, o ensinamento do Buda, que é eterno. Também é a função e influência da vida, assim como a transformação do destino, simbolizando a continuidade da vida através do passado presente e futuro. 

Saddharma Pundarika Sutra é título original do Sutra de Lótus em Sânscrito. 
Ele foi traduzido no ano 406 por Kumārajīva recebendo em chines o nome de Myoho-Rengue-Kyo, onde Sad se torna MyoDharma, vira Ho. Pundarika, que é flor de lotus, vira Rengue, e Sutra, que é ensino passa a ser Kyo



''Nam-Myoho-Rengue-Kyo!" 



Texto compilado de matérias de estudo do Bloco Mandala, da BSGI, Barra, RJ - TC nº 306

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Podemos sempre mudar! Basta querer!


:: Graziella Marraccini :: 

Temos ou não temos livre arbítrio? Se o temos, como usá-lo? O que podemos realmente mudar em nosso destino? Essas são perguntas que me são feitas semanalmente por alguns clientes que desejam essas respostas nas consultas astrológicas. Sempre afirmei que nosso livre arbítrio existe mas é limitado. Ou seja, podemos mudar somente dentro de um determinado numero de variantes, variantes essas que dependem do nosso Mapa do Nascimento. Se considerarmos que nascemos sob um céu determinado e que esse céu (ou seja a configurarão astrológica do nascimento) determina todo nosso destino, podemos pensar que teremos pouca margem de ação para mudá-lo, não é? 

Mas não é bem assim. De fato eu considero que o Mapa do Nascimento nos oferece inúmeras possibilidades e variantes, dependendo de nossa capacidade de efetuar o aprendizado necessário para nossa evolução espiritual, ao mesmo tempo que cumprimos nosso destino. Porém caro leitor, não confunda! Aprendizado espiritual não quer dizer que você precise entrar num templo, se fazer monge ou freira e passar sua vida rezando e meditando a Deus para obter a Iluminação! O verdadeiro aprendizado espiritual será conseguindo compreendendo profundamente o que lhe é destinado e que se encontra descrito no seu mapa natal, interpretado por um astrólogo profissional capacitado para interpreta-lo! Ele lhe explicará quais são os desafios que você se propôs ao nascer, mostrará os percalços que devera superar e qual o percurso pelo qual você caminhará e que o levará à sua meta final. O caminho da vida lhe apresenta os desafios, mas você terá a disposição os meios com os quais os superará, meios esses representados pelos dons que você recebe no nascimento, conforme seu merecimento do passado. 

A isso chamamos em ocultismo se Lei de Causa e Efeito, que é Lei divina que determina que colhemos o que plantamos! A Lei de Causa e Efeito que podemos chamar também de Lei do Carma está descrita nas Leis Herméticas (contidas no Caibalion) e amplamente interpretadas e comentadas nos artigos que podem ser encontrados no STUM e no meu site pessoal www.astrosirius.com.br (http://somostodosum.ig.com.br/conteudo/categoria3.asp?categoria=108). "Toda Causa tem seu Efeito; todo o Efeito tem sua Causa; todas as coisas acontecem de acordo com a Lei: o Acaso é simplesmente um nome dado a uma Lei não reconhecida. Existem muitos planos de causalidade mas nenhum escapa à Lei." Não existe acaso no Universo! 

Quando compreendemos esse Principio Hermético também compreenderemos que nossas escolhas atuais estão moldando nosso futuro e que nosso presente é consequência de nossas escolhas do passado. No campo energético não existe passado, presente, o futuro pois a realidade cósmica é quântica, portanto tudo existe em potencial no Todo antes mesmo de se manifestar. Se quisermos, portanto, poderemos mudar as coisas que impedem o desenvolvimento de nossas potencialidades, porém o Cosmo só nos permitirá efetuar essas mudanças quando tivermos conseguido o aprendizado espiritual. Acontece que ao encarnarmos na vida terrena somos condicionados pelas circunstancias de nosso nascimento, circunstancias que se materializam em conformidade com as configurações planetárias do momento do nosso nascimento. O Céu daquele momento especial irá imprimir uma qualidade especifica ao nosso ser e nos fornecerá todos os meios para cumprirmos a missão que nosso espirito escolheu. 

Eu tenho a convicção que Ele, o Criador, nosso Pai, Deus, ou como você O quiser chamar, nos cria com todas as possibilidades de ser felizes, se por felicidade entendemos a realização do nosso potencial. Quero dizer que se nascemos para ser uma rosa, temos as condições de ser a melhor rosa desse jardim da criação, corrigindo, retificando, modificando nosso comportamento na medida que avançamos no caminho da evolução. 

Por essa mesma razão, quando perdemos o rumo, quando não sabemos se estamos efetuando as escolhas adequadas, quando nos deparamos com duvidas e os desafios nos parecem insuperáveis, podemos efetuar mudanças, correções e retificacoes em nosso caminho. Essa mudança de comportamento criará as condicões de um futuro melhor para nos! O autoconhecimento - especialmente aquele fornecido pelo nosso Mapa Natal - nos fornece as ferramentas para fazer as mudanças necessárias destinadas a superar todos os desafios do destino. O aprendizado nos liberta! Eureka! Agora eu sei! Esse será nosso grito de alegria quando pudermos efetuar essas mudanças, de plano em plano, de oitava em oitava, do estado de vibração mais denso ao mais sutil, até nos sentirmos finalmente livres e integrados ao Todo. 

O Criador nos deu essa permissão. Acredite: você pode! A astrologia com suas diferentes modalidades de interpretação lhe fornece a chave para abrir a porta do conhecimento. Quando precisarmos da uma ajuda extra podemos fazer uma conexão com o campo astral, pedido auxilio ao Divino, ao nosso Guia Interior, ao nosso Anjo da Guarda, ao nosso santo de devoção. Não importa o meio que você use. Você precisa querer fazer as mudanças! Segundo sua crença ou inclinação natural você pode meditar, rezar, fazer cerimonias e promessas. Faça sua busca! Faça suas escolhas! Quando trabalhamos conscientemente os desafios de nossa encarnação atual, moldamos nosso destino. 

Caro leitor, se você se sente tolhido e limitado mas não consegue efetuar as mudanças que deseja sozinho, alem da Astrologia, do Tarô ou outro meio esotérico, você pode fazer uso da Radiestesia que através da Mesa Radionica pode libertar as suas energias, eliminando bloqueios, maldições hereditárias, emoções negativas e outras que impedem a sua prosperidade e uma vida plena e feliz! Com a Radiestesia você conseguirá o equilíbrio físico e emocional que o ajudará a alcançar seus objetivos. Eu estou me aprofundando cada vez mais nessa ferramenta que acrescento ao meu conhecimento para poder ajudá-lo sempre que você precisar. 

Desejo a todos uma semana de Luz e Harmonia em sintonia com a energia do Divino! 

São Paulo, 4 de fevereiro de 2014

Fonte: STUM.

segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

03/02/2014: Começa o Ano Novo Chinês.


''Aprenda dicas de Feng Shui para colocar em prática ao longo do ano''

Por: Aline Mendes

Você sabia que é possível fazer previsões anuais para sua casa, com base no Feng Shui Tradicional Chinês? Na Astrologia, temos doze casas e signos zodiacais, que ao longo do ano recebem diferentes "visitantes": os planetas. No Feng Shui, um imóvel é dividido em oito setores, cada um correspondendo a uma das oito direções da rosa dos ventos: Norte, Nordeste, Leste, Sudeste, Sul, Sudoeste, Oeste e Noroeste. Todos os anos, cada um desses setores recebe uma estrela visitante diferente.
Mas vale lembrar que o que chamamos de estrelas no Feng Shui não são corpos celestes reais, e sim potenciais energéticos, formados pela interação de diversos fatores do céu e da terra. Ao todo, são analisados os potenciais de nove diferentes estrelas, numeradas de 1 a 9.

OS CINCO ELEMENTOS CHINESES
Árvore - Cores: verde, azul claro| Formas: linhas verticais, retângulos, cilindros| | Materiais: plantas
Fogo - Cores: vermelho, rosa forte, laranja, púrpura |Formas: triângulos, pirâmides, estrelas | Materiais:lâmpadas e velas acesas
Terra - Cores: amarelo, marrom, bege | Formas:quadrado, linhas horizontais | Materiais: pedras, vasos de argila e cimento
Metal - Cores: dourado, prateado, branco, cinza |Formas: círculos e arcos | Materiais: som de metal, cabaças
Água - Cores: preto, azul cobalto, azul marinho |Formas: formas sinuosas e irregulares | Materiais:líquidos

Os oito setores da casa, assim como as nove estrelas, estão associados - cada um - a um dos cinco elementos chineses: Árvore, Fogo, Terra, Metal e Água.

ANO NOVO CHINÊS COMEÇA NO DIA 03/02/2014
Antes de analisarmos as previsões do Feng Shui para o ano de 2014, precisamos saber que o calendário chinês é diferente do nosso. Na verdade, os chineses possuem dois calendários: um reflete os ciclos da Lua, enquanto o outro reflete os ciclos do Sol. No Feng Shui, usamos o calendário solar, cujo novo ano começa sempre no dia 3, 4 ou 5 de fevereiro. Em 2014, o ano novo chinês ocorre, no Brasil, às 20h do dia 3 de fevereiro (horário de verão).
A partir do centro de sua casa ou apartamento, identifique as oito direções da rosa dos ventos. Para isso, fique no centro do seu imóvel e use uma bússola - ou o seu celular, se for um smartphone - para identificar o Norte e as outras sete direções. Depois, inspire-se na imagem abaixo para dividir a planta do seu imóvel em oito "fatias" iguais.


Divida a planta do seu imóvel em oito fatias. 

Depois disso, veja abaixo qual potencial estará em cada área da sua casa em 2014, e quais elementos são recomendados ou inadequados para cada local.

CENTRO - ESTRELA 4
A estrela presente no centro do mapa define a tônica geral do ano. A estrela 4 está ligada à criatividade, às conquistas acadêmicas e ao romance. Isso quer dizer que estes serão temas recorrentes ao longo de 2014. Cuide para que o centro do seu imóvel esteja livre, limpo e bem iluminado. Para estimular estes aspectos, você pode colocar nesse lugar um jarro com pequenos bambus ou flores frescas. Bagunça acumulada ou perturbações, como obras e barulho neste local, poderão ter um efeito nocivo sobre o romance ou os estudos. Objetos, cores e formas ligados aos elementos Água e Árvore são benéficos este ano, como objetos retangulares e cilíndricos ou nas cores preto, verde e azul claro. O Fogo, quando usado em pequena quantidade, trará fama. Em excesso, prejudica a criatividade e o romance. Então equilibre na decoração as cores vermelho, rosa forte, laranja ou púrpura, assim como objetos como velas acesas, lâmpadas, triângulos, pirâmides e estrelas. A Terra trará limites a essas áreas, o que pode ser bom ou ruim, dependendo da situação. O Metal poderá acarretar rompimentos nos relacionamentos.

SUDOESTE - ESTRELA 1
Esta é uma estrela de natureza benéfica, ligada à sabedoria, à riqueza e à fama, e tem especial influência sobre a vida acadêmica. É um bom local para quem precisa tomar decisões e está buscando inspiração. Mulheres que permanecem neste local se sentirão com controle sobre os filhos e até sobre os companheiros. Mas também podem se sentir sobrecarregadas, com excesso de responsabilidades. O elemento recomendado para equilibrar as energias e estimular os bons potenciais do setor em 2014 é o Metal. Portanto, use cores, formas e materiais ligados a este elemento. A Água é harmônica com as energias presentes. A Terra e o Fogo trazem estresse, enquanto objetos, cores e formas pertencentes à Árvore diminuem a riqueza.

OESTE - ESTRELA 6
No Oeste, encontramos em 2014 uma estrela que favorece a autoridade e o crescimento profissional. A combinação de energias presentes no setor pode trazer este ano, no entanto, conflitos, problemas legais ou ferimentos por objetos metálicos. Se este for o caso, os conflitos podem ser amenizados usando formatos e cores associados à Água, como um quadro ou uma colcha com motivo de ondas, nas cores azul marinho e preta. Árvore, Terra e Metal podem agravar os conflitos. Fogo prejudicará a autoridade e pode ocasionar dores de cabeça.

NOROESTE - ESTRELA 5
A estrela 5 pode trazer problemas a qualquer setor onde se encontre. No Noroeste, estes problemas podem se manifestar como doenças na região da cabeça, pulmões ou pele. Pode trazer também problemas relacionados à autoridade e perda de dinheiro através de impostos, multas ou ações judiciais. Para harmonizar este potencial, o melhor é o som de metal suave, cadenciado, que pode vir de um piano, de um relógio de carrilhão com um pêndulo dourado ou de um aparelho de CD tocando música instrumental suave, de piano, harpa ou violão. Decore este cômodo com muitos objetos de tons metálicos (dourado, prateado) durante este ano. Você pode usar também um sino do tipo pin tibetano, que emite um som agradável e com longa reverberação. Cores, formas e materiais ligados a Árvore, Fogo e Terra que podem agravar os problemas. A Água pode estar presente, mas em pequena quantidade.

NORTE - ESTRELA 9
Esta é uma estrela muito dinâmica, que favorece acontecimentos felizes e estimula qualquer atividade desenvolvida no local. É preciso ter cuidado com suas atitudes e intenções, já que tanto os bons quanto os maus potenciais serão aumentados. A Árvore e o Fogo são fases adequadas, fortalecendo a energia da estrela. A Terra pode suavizar o excesso de movimento, caso necessário. Metal e Água podem criar situações de conflito.

NORDESTE - ESTRELA 7
A estrela 7 traz potencial para intrigas e conflitos. Pode levar também a perda de dinheiro com roubo, acidentes ou cirurgias. Pessoas que trabalham com comunicação ou esoterismo podem ganhar dinheiro, mas existe a tendência a gastá-lo rapidamente. Usar na decoração cores, formas e materiais ligados à fase Água minimiza estes potenciais nocivos. O Metal, a Árvore e a Terra podem agravar os conflitos. O Fogo pode ser uma faca de dois gumes, podendo tanto diminuir quanto aumentar os problemas, e por isso deve ser evitado.

LESTE - ESTRELA 2
Cuidado com a saúde este ano! Se você permanece nesta direção da casa por longos períodos, ficará mais propenso a problemas de saúde, principalmente no aparelho digestivo. Não é um bom lugar para mulheres grávidas ou que estejam tentando engravidar. Os problemas podem se manifestar também nos pés ou nos músculos. Se a porta de entrada de sua casa ou de seu escritório está no Leste, a tendência será gastar dinheiro com problemas de saúde, ou enfrentar atrasos nos pagamentos esperados. É muito importante ter as formas, as cores e os materiais do elemento Metal nessa direção em 2014. O ideal é usar uma cabaça dourada (veja imagem abaixo) nesse cômodo ou um objeto decorativo com as mesmas características.

Cabaça dourada deve ser usada na direção Leste da casa

SUDESTE - ESTRELA 3
A estrela 3, quando está no Sudeste, traz uma tendência a altos e baixos na sorte, e uma certa indecisão ou confusão mental. Essa estrela estimula a competitividade e está associada a problemas judiciais, roubos ou conflitos, que manifestam uma competição mal direcionada. Será preciso usar cores, formas ou materiais da fase Fogo para evitar estes problemas. Você pode, por exemplo, pendurar um quadro com tom predominantemente vermelho neste canto ou usar objetos em formato de pirâmide. As fases Água e Árvore não devem estar presentes, pois estimulam os aspectos negativos da estrela. O Metal pode criar mais conflitos, e a Terra pode ser usada, desde que em menor quantidade.

SUL - ESTRELA 8
Essa é uma estrela extremamente benéfica, que pode atrair riqueza estável, especialmente em assuntos ligados a imóveis. O setor Sul traz dinamismo e estimula os bons potenciais da estrela. Nenhuma fase se faz necessária no local, que já está harmônico em 2014. As fases que se harmonizam com as energias deste setor são o Fogo e a Terra. O Metal e a Árvore podem diminuir a prosperidade. A Água pode ser usada, desde que em pequena quantidade, quando já houver Fogo e Terra no local.

Tenha em mente que estas são as estrelas visitantes de 2014. Um mapa de Feng Shui completo possui, em cada uma das direções, três estrelas fixas, que definem as tendências permanentes daquele setor em seu imóvel. Se você quiser conhecer este mapa e seus potenciais, o ideal é contratar um consultor de Feng Shui Tradicional Chinês, que irá até o local fazer todas as medições necessárias.

Que as estrelas possam lhe trazer muitas bênçãos este ano!

Fonte: Personare.

domingo, 2 de fevereiro de 2014

O 1° Sabbat de 2014. Algumas dicas.

Lammas ou lughnasadh (também conhecido como festa do pão, festival da colheita ou lar da colheita), comemorado em 1º de agosto no hemisfério norte e em 2 de fevereiro no Hemisfério sul.  É um dos quatro sabbats maiores que marcam o ciclo de colheita dos antigos celtas. Esse festival marca a primeira colheita, onde os grãos são armazenados para a escuridão do inverno que está por vir, é também a celebração do sacrifício do deus que vai enfraquecendo, doando sua energia aos frutos da terra, enquanto os dias vão aos poucos ficando mais curtos.  
  O nome do festival remete ao deus sol celta Lugh, pois este era reverenciado nessa época pelos druidas (lughnasadh significa lamento para Lugh), outras culturas pré-cristãs comemoravam, como citei anteriormente, o sacrifício do grande deus, dando sua vida pela nova vida que está surgindo. Acho que esse é o significado de Lammas, celebrar a energia vital dada pelo deus e a criação da vida que a deusa traz dentro de si.
 Era comum nos festivais antigos oferecerem sacrifícios de grãos recém colhidos para agradecer ao deus pelo seu sacrifício e honrar a deusa, todos comiam o chamado pão da vida. Este é um sabbat para agradecermos ao deus por ter nos concedido seu calor, sua vida sua abundância e honrar a deusa pela colheita e pela vida, talvez por isso nesse festival os deuses sejam honrados como o senhor e senhora do milho.
 
Comemoração em coven (aspectos básicos de comemoração em muitas tradições): O Lammas geralmente é comemorado dentro do espaço do coven que é enfeitado com grãos, flores e frutos, é comum também em todas as tradições se enfeitar o coven com bonecos de milho (produzidos pelos membros) representando os deuses. Também é comum abrir o circulo ao redor do caldeirão: primeiro para que na hora do banquete em honra a colheita (uma grande pão comunitário e uma grande taça de vinho dividida entre os membros) o primeiro pedaço de pão e o primeiro gole de vinho sejam jogados dentro do caldeirão, e depois para que posteriormente se queimem no caldeirão os bonecos de milho do Lammas passado junto com pedidos. Os deuses reverenciados geralmente são deuses referentes as colheitas se o coven não quiser comemorar o aspecto celta do Lammas. É comum em alguns covens, sobretudo celtas, realizarem após o ritual jogos e cada membro do coven traz uma receita caseira envolvendo grãos para suprir o banquete do festival.
 
Comemoração de um bruxo solitário: Como dito em posts anteriores, os rituais descritos aqui para neófitos sem coven não precisam obrigatoriamente ser solitário, pode ser usado até por 5 pessoas que já estudem juntas a religião. Primeiro a decoração, como esse festival não marca um solstício ou equinócio você pode realizá-lo num lugar fechado, embora contato com a natureza seja sempre ideal. Seu altar deve estar decorado com grãos (representando a colheita) e no altar também você deve colocar os tradicionais bonequinhos feitos com palha de milho (um representando a deusa e outro o deus) como esses mostrados abaixo.
 
As etapas para o começo de um ritual (escolha, purificação e etc) suponho que vcs já saibam por isso vou pular (caso vc tenha dúvidas veja nos posts passados do blog).  Depois disso acendam um incenso sândalo ou rosa. Também é bom que vcs preparem algum prato que leve grãos, pode ser um pão ou bolo, para que seja usado no ritual como uma oferenda aos deuses. Posicione seu caldeirão (se não tiver pode adaptar) para que ele fique no centro do circulo que será traçado.
A comemoração: Tracem o circulo, invoquem os Elementais e depois os deuses. Vocês podem fazer um prelúdio (uma homenagem aos deuses pelo festival , pode ser uma música um poema, até uma encenação da roda do ano). Agora vocês podem fazer um antigo e tradicional ritual de Lammas, sentem-se ao redor do caldeirão e dentro dele coloque um pedaço do pão ou prato feito anteriormente e por cima coloque pedidos relacionados a fertilidade, a abundância, a prosperidade. Agora vc vai queimar a oferenda junto com os seus pedidos fazendo uma prece aos deuses (originalmente vc queimaria os bonecos de milho do Lammas passado, mas quem vai fazer pela primeira vez opte por isso e guarde os bonecos pro ano que vem). Ao terminar o ritual levante-se e pegue os bonecos de milho que representam os deuses e os consagre para que eles lhe tragam abundância, fartura, fertilidade e prosperidade até o próximo Lammas. Celebre um pequeno banquete em honra aos deuses com frutos da época e o resto do pão ou prato feito para o ritual e vinho (se for menor de idade opte por suco de uva). Agradeça os deuses pela fartura recebida e pela presença no circulo, agradeça a presença dos Elementais e sua proteção. Feche o circulo e aproveite o dia, porque o verão está chegando ao fim. 

Blessed Lammas )O(

Fonte: Internet.

sábado, 1 de fevereiro de 2014

Hemisfério Sul: Lughnasadh/Lammas.


Lughnasadh é também conhecido como Lammas (Lê-se "lamas") ou Festival da Primeira Colheita. Dia sagrado no paganismo, tendo origem principalmente Celta. Celebrado no dia 2 de Fevereiro no hemisfério Sul e no dia 1º de Agosto no hemisfério Norte.
  • Lughnasad= pronuncia-se Lunasá.
  • Lammas= pronuncia-se Lamas.
É importante lembrar que os Sabás não são originários da Wicca. São comemorações muitos mais antigas do que essa religião que apareceu por meados da década de 50, que agregou essas, e outras características a sua doutrina.
Índice
  • 1 Simbolismo
  • 2 Costumes e Tradições
  • 3 Correspondências
  • 4 Toque Brasileiro
  • 5 Fontes
  • 6 Ver Também
Simbolismo
Esse sabá, que ocorre entre o Solstício de Verão (Litha) e o Equinócio de Outono (Mabon), festa da primeira colheita, uma época de agradecimento aos Deuses por tudo o que colhemos. Agradece-se ao que foi bom e também ao que pareceu ruim, pois na religião Wicca crê-se que tudo o que acontece na vida faz parte no caminho evolutivo de cada um.
O nome Lughnasadh veio duma festa agrícola típica dos Céltico. Uma festa da colheita em honra ao deus céltico do Sol:Lugh (o maior guerreiro dentre os celtas, pois derrotou os gigantes que exigiam sacrifícios humanos).
Já o nome Lammas significa "Missão do Pão (loaf Mass)", que representa o alimento (geralmente pão ou bolo ou qualquer outra massa) feito com os grãos, que representam a colheita, e repartido (como alimento sagrado) entre os membros do coven ou da família ou mesmo entre amigos. Este nome vem do costume medieval de levar os primeiros pães (bolos, etc) para uma celebração.

Costumes e Tradições
Além da tradicional "Massa de Lugh", segundo a tradição da religião Wicca, nessa época são feitos bonecos de palha (de milho ou trigo) representando os Deuses, chamados de Senhor e Senhora do Milho. Esses bonecos são tidos como amuletos de proteção durante todo o ano, até o próximo Lammas, onde são queimadas na fogueira ou no caldeirão.
Na fogueira, os bonecos de milho do ano passado, juntamente com papéis contendo agradecimentos aos Deuses, são queimados; isso ocorre como uma maneira de lembrar aos wiccanos de que devemos queimar o passado e utilizá-lo como combustível para o nosso futuro.
As noites já começaram a ficar mais longas, desde o Solstício de Verão; aproximando-se a época da partida do Deus para a Terra do Verão, deixando a sua própria semente no ventre daDeusa, de onde renascerá (mantendo o eterno ciclo do nascer-morrer-renascer).

Correspondências
Em cada um dos 8 sabás da Roda do Ano na religião Wicca existem correspondências específicas para a composição dos rituais baseadas nos simbolismos de cada época.

Plantas e frutos:
Floresa acácia, aloés, olíbano, nozes, cerejas, arroz, cevada, urze, murta, girassol, milho, aveia, trigo, amoras, maçãs, além de todos os grãos e frutos maduros da estação.

Comidas típicas: Pães caseiros, bolos de cevada, cordeiro assado, além de tortas e outros pratos feitos a partir dos frutos da estação.

Bebidas típicas: Vinhos, cervejas, chás e sidras, além de sucos e outras bebidas preparadas a partir dos frutos da estação.

Incensos: acácia, aloé, olíbano, rosa e sândalo.

Cores: laranja e amarela.

Pedras: aventurina, citrino, peridoto e sardônia.

Deuses geralmente representados
Lugh, Baco, Apolo, Rá, Ceres, Deméter, Mani, Urihi, Kupeirup, Iaçá, Danu, Gaia, Pele, Brigid, Uzume, e os demais deuses e deusas da colheita, fartura e proteção.

Toque Brasileiro
Grande parte dos wiccanos brasileiros prefere utilizar simbolismos mais próximos à cultura do Brasil, principalmente os simbolismos da cultura indígena (que são considerados os mais ‘originais’ dos brasileiros).
Nesse sabá, podemos citar a Deusa indígena Mani. Segundo a lenda, a filha do chefe de uma tribo apareceu grávida, porém ela jurava não ter se deitado com homem algum. O pai, seguindo a tradição, mata-la-ia; entretanto, na noite anterior ao ato, um espírito dos Antigos Anciãos da sua tribo veio-lhe em sonho e disse-lhe que a criança possuiria uma grande magia e que não deveria ser morta.
Quando a criança nasceu, sua pele era tão branca que mais parecia a própria lua a brilhar. Já nasceu sabendo falar, no segundo dia de vida, aprendeu a andar. Após um ano, aconselhando a tribo com as sábias palavras de uma Deusa, Mani morreu. Segundo a tradição, foi enterrada na oca de sua mãe, que a regava todos os dias.
Dentro de algum tempo, uma planta nasceu naquele lugar, uma planta cujas raízes escuras eram tão grandes que chegaram a sair do chão. Entretanto, o interior da raiz era tão branco quanto a alva pele de Mani; assim a planta ficou conhecida como Mandioca, que quer dizer, a Oca (casa) de Mani.
Por isso, em honra a Deusa Mani, também é muito comum no Brasil a valorização da mandioca e de outras plantas típicas no ritual de Lughnasad: a Festa da Colheita.

Fontes
Wicca Brasil, Guia de Rituais das Deusas Brasileiras - Mavesper Cy Ceridwen – ISBN 8575550209
Sabedoria das Bruxas – Rosa Maria Biancardi – ISBN 8585839260
Wicca, Crenças e Práticas – Gary Cantrell – ISBN 8573745592
O Livro e o Baralho Wicca – Sally Morningstar – ISBN 8531512697

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...